IMPOSTÓMETRO

terça-feira, 21 de junho de 2016

Jesus aparece a refugiados que cruzavam mar e acalma tempestade

Refugiados sobreviveram à perigosa e se converteram

O testemunho de Erick Schenkel, diretor-executivo do Projeto Filme Jesus tem surpreendido muitas pessoas na Europa. Ele conta que sua missão está trabalhando no discipulado de um grupo de refugiados que afirmam ter visto Jesus no mar Egeu.
Eles estavam em um barco como as dezenas que atravessam do norte da África para a Grécia todos os meses. O vento forte e as ondas altas ameaçavam virar a embarcação cheia de imigrantes fugindo do Médio Oriente. Todos sabiam que muitos outros nas mesmas condições morreram na travessia.
Os refugiados estavam com medo e a beira do desespero. “Mas as pessoas do barco começaram a clamar a Deus em voz alta. De repente, uma “figura divina brilhante” apareceu a eles”, relata Schenkel. “O barco inteiro sabia que era Jesus”, insiste, acrescentando que eles o ouviram dar um comando e as águas se acalmaram imediatamente, salvando suas vidas.
“A partir desse ponto, o mar ficou calmo e tranquilo, e eles chegaram em segurança em terra”, ressalta Schenkel. Semanas depois, os refugiados foram atendidos por cristãos que, ouvindo o relato, começaram a fazer grupos de discipulado e de estudo da Bíblia. O responsável pelas aulas é um ex-jihadista, que também teve uma forte experiência de conversão.
Para o líder do Projeto Filme Jesus, o relato surpreendente ecoa o episódio relato nos Evangelhos quando o Messias acalmou uma tempestade no Mar da Galileia (Mateus 4:37). Embora não tenha dado mais detalhes sobre quem eram esses refugiados, insiste que havia um propósito pois todos que estavam ali queriam se tornar seguidores daquele que tem todo o poder. Com informações de Christian Post
Fonte:> noticias.gospelprime.com.br

RJ pede ajuda das Forças Armadas por 3 meses, inclusive na Olimpíada

Informação foi publicada pelo 'O Globo' e confirmada pelo Governo.
Contingente vai além dos 85 mil que ficarão no Estado nos Jogos.

Do G1 Rio
O governador em exercício do Rio, Francisco Dornelles, pediu às Forças Armadas reforço no contingente para a Olimpíada, mas também para antes e depois dos Jogos. O número vai além dos 85 mil agentes que já cuidariam da segurança do evento.
A informação foi publicada nesta quinta-feira (16) na coluna de Ancelmo Gois, do "O Globo", e confirmada pelo Governo.
O auxílio foi requisitado através de um ofício enviado por Dornelles ao presidente interino, Michel Temer. O emprego extra das Forças Armadas iria de 24 de julho a 19 de setembro, após até mesmo a Paralimpíada.
Segundo a nota, o contingente extra ficaria em locais como a Avenida Brasil, o aeroporto do Galeão e as linhas Vermelha e Amarela.
No documento, Dornelles cita o elevado número de visitantes na cidade e diz que a PM não dispõe de recursos humanos e logísticos para cumprir as demandas.
O Governo informou também que a Força Nacional de Segurança Pública não apoiará a PM no policiamento ostensivo da cidade. O serviço será relacionado, "de maneira maciça", à segurança interna das instalações olímpicas.
Homem é morto em confronto com as Forças Armadas na Maré/GNews (Foto: Reprodução GloboNews)Forças Armadas reforçará contingente durante Olimpíada (Foto: Reprodução GloboNews)

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Ato profético reúne lideranças evangélicas em Brasília

Evento pretende celebrar uma mudança espiritual do país

Ato profético reúne lideranças evangélicas em BrasíliaAto profético reúne lideranças evangélicas em Brasília
Cerca de 100 líderes de diferentes denominações, artistas e autoridades políticas subiram ao palco montado na Esplanada dos Ministérios em Brasília nesta quarta (1). Com duração de mais de duas horas, o “ato profético” convocado pelo ministério Vitória em Cristo foi mais que um culto público a Deus.
Sob a liderança de Silas Malafaia, vários pastores conhecidos se revezaram em momentos de intercessão pelo país. Cada um à sua maneira, alguns mais comedidos, outros mais enfáticos, eles oraram e convidaram a Igreja brasileira a continuar clamando a Deus por uma mudança drástica nos rumos da nação.
Nani Azevedo, Fernandinho, Cassiane, Fernanda Brum, entre outros, conduziram os presentes em momento de adoração. “Compreendo que esse ato profético traz a Palavra de Deus. A palavra profética para a nação é arrependimento, transformação e redenção”, afirmou Brum ao Gospel Prime. Já Nani entende que a mudança não é apenas política, sendo, sobretudo, espiritual. “É Deus descortinando tudo e usando os políticos”, enfatizou o cantor.
Não houve menção de nomes de políticos, tampouco de partidos. Ao contrário do que se especulou, não era um comício fora de época. Os deputados e senadores presentes ao evento não foram mencionados por nome nem apresentados publicamente.
“O ato é em favor do Brasil, não é em favor de governos”, asseverou Malafaia diante da multidão. Assumindo um tom profético em sua fala, declarou: “Esse espírito de mentira, vai ser desmascarado! Nós vamos declarar que esse país não vai falir. Deus vai trazer prosperidade à nossa nação”, insistiu. Um “amém” quase em uníssono foi ouvido no local.
Entre as milhares de pessoas que estavam na plateia, podiam ser vistas faixas e cartazes com dizeres que remetiam aos valores cristãos, muitas vezes atacados na arena política. “Em favor da família tradicional”, “Não à erotização das crianças” e “Fora ideologia de gênero” eram algumas delas. Da parte do público, ficou evidente que há uma grande expectativa por uma mudança não apenas no campo econômico, mas também moral.
Líderes Evangélicos no Ato Profético
Lideranças presentas no evento (foto de Gabriela Carvalho)
Na avaliação da maioria dos líderes presentes, o sucesso do ato não pode ser dimensionado pelo número de pessoas que compareceram nem pela expectativa de uma mudança milagrosa em um curto período de tempo. Ouvidos pelo Gospel Prime, os pastores afirmaram que se trata de um exercício de fé, um evento para “marcar posição” no mundo espiritual e diante dos homens.
“O reino de Deus é para ser instalado na terra. Deve influenciar tudo: diplomacia, política, ciências, artes, cultura… A igreja muitas vezes se omite disso, ao tratar o ser humano apenas como ser espiritual. Vamos declarar aqui nosso país não vai sucumbir por corrupção nem caos social. Temos a autoridade espiritual para profetizar sobre a nação”, afirmou Silas Malafaia ao Gospel Prime.
Fonte: noticias.gospelprime.com.br

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Depois de vacinarem milhões de pessoas,descobriram que a “VACINA DA GRIPE É UM VENENO MORTAL”

Recentemente, tem circulado pela internet uma mensagem que alerta para não tomar a vacina H1N1 pelo simples risco da síndrome GBS. Aparentemente, a vacina da gripe é um veneno mortal.
Um dos possíveis efeitos secundários da vacina H1N1 é a síndrome de Guillian-Barre, que já matou e incapacitou centenas de americanos na campanha de vacinação H1N1 em 1979, tendo sido confirmados 500 casos com esta síndrome. Então, a vacina foi retirada do mercado 10 dias depois, após terem sido vacinadas 48 milhões de pessoas.
Esta síndrome ataca diretamente o sistema nervoso e causa problemas de respiração, paralisia e pode até levar à morte. Em muitas vacinas produzidas no final dos anos 80 e início dos anos 90, foram utilizados produtos bovinos obtidos em países onde a encefalite bovina espongiforme (doença da vaca louca) constituía um risco significativo. Nos EUA, a FDA pediu insistentemente que as indústrias farmacêuticas não utilizassem produtos de gado criado em países onde a vaca louca fosse uma realidade.
Vários médicos, farmacêuticas e meios de comunicação continuam a mentir sobre o mercúrio em vacinas. Os mídia deixaram a ciência totalmente de lado na sua propaganda de incentivo à vacina contra a gripe, tendo deixado de mencionar de todo qualquer um dos riscos associados à mesma. Segundo quase todas as histórias publicadas, as vacinas contra a gripe oferecem praticamente proteção certa contra a gripe enquanto que o risco nunca é mencionado.
Na própria bula é revelado que a vacina nunca foi submetida a ensaios clínicos científicos: “Não houve estudos controlados que demonstrem adequadamente uma diminuição na doença influenza após a vacinação com Flulaval”, é o que se pode ler no folheto informativo num texto minúsculo que ninguém lê.
Lá também consta que “A segurança e a eficácia de Flulaval não foram estabelecidas em mulheres grávidas, lactantes ou crianças”. Mesmo assim, as farmacêuticas e várias outras entidades incentivam à vacinação contra a gripe por parte de mulheres grávidas. A mesma entidade que admite que a vacina nunca foi testada, admite também abertamente que esta contém produtos químicos neurotóxicos!
Se tomas vacinas contra a gripe, é provável que estejas a ser envenenado aos poucos, pois sabe-se que estas contêm produtos químicos neurotóxicos e metais pesados em concentrações alarmantes! Para além disso, não existe uma forma segura de mercúrio, tal como não existe forma segura de heroína. Todas as formas de mercúrio são consideradas altamente tóxicas quando injetadas no corpo! compartilhe máximo que puder!
(Via agencia de noticia)
Fonte: saudevidaefamilia.com

Câmara aprova regime de urgência para 12 projetos de reajuste de servidores

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (31) o regime de urgência para 12 projetos de lei com recomposições salariais de diversas carreiras federais. O mérito das matérias será analisado em outras sessões futuras.
Confira as urgências aprovadas:
- PL 2742/15 (Câmara dos Deputados)
- PL 4244/15 (Senado Federal)
- PL 4250/15 (servidores de diversas carreiras do Executivo)
- PL 4251/15 (carreiras da educação)
- PL 4252/15 (agências reguladoras)
- PL 4253/15 (servidores de ex-territórios)
- PL 4254/15 (diversas carreiras, inclusive honorários de sucumbência para AGU)
- PL 4255/15 (forças armadas)
- PL 7922/14 (servidores da Defensoria Pública)
- PL 2647/15 (Procuradoria-Geral da República)
- PL 2747/15 (defensores públicos da União)
- PL 2743/15 (Tribunal de Contas da União)
Posição contrária
O deputado Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS) fez questão de marcar sua posição contrária a dar caráter de urgência aos projetos de aumentos salariais. O deputado disse que não é hora de aumentar despesas, levando em conta o deficit nas contas públicas. “Não é contrário a uma carreira, mas dentro de um cenário em que o Brasil vive, neste momento em que temos projeção de deficit nas contas públicas. Não me parece que seja justiça para todos os brasileiros”, afirmou.
O deputado Daniel Coelho (PSDB-PE) destacou que essa é a posição pessoal de Marchezan, não do partido. “Não é a posição do partido, que vai votar a favor dos projetos”, disse.
A postura recebeu críticas do PT, que se referiu aos tempos de arrocho do governo tucano. O deputado Givaldo Vieira (PT-ES) cobrou a aprovação também do mérito das propostas. “São aumentos pactuados e colocados no orçamento federal”, disse.
Reportagem – Eduardo Piovesan e Carol Siqueira
Edição – Pierre Triboli

O Senado aprovou projeto que aumenta a pena no caso de estupro coletivo


O Senado aprovou projeto que aumenta a pena no caso de estupro coletivo. Agora o PLS 618/2015 segue para a Câmara dos Deputados. Entenda:http://bit.ly/1TJzcgG

Veja o que diz o Código Penal sobre os crimes contra a dignidade sexual (a partir do artigo 213):http://bit.ly/1PuiPGg

Conheça as punições previstas na lei para abuso sexual de menores: http://bit.ly/1XP7FiK

terça-feira, 31 de maio de 2016

Facebook, Microsoft, Google e Twitter se unem para barrar discurso de ódio

Acordo com a União Europeia tenta combater posts racistas e xenófobos.
Entre medidas está a de analisar e remover ofensas em até 24 horas.


Do G1, em São Paulo
A Comissão Europeia, braço administrativo da União Europeia, anunciou nesta terça-feira (31) que Facebook, Microsoft, YouTube (Google) e Twitter aceitaram seguir um manual de conduta para combater o discurso de ódio em suas plataformas.
Entre as várias medidas, as empresas se comprometem a analisar denúncias em menos de 24 horas e, caso necessário, removê-las ou barrar o acesso a elas. As regras valem para os 28 países que são membros da União Europeia.
A ação é uma tentativa de levar para o mundo online as ações aplicadas para conter manifestações racistas ou xenófobas em solo europeu no mundo offline.
Só que, como na internet, a maior parte das publicações são feitas em plataformas de empresas, a iniciativa deveria contar com a ajuda delas.
O manual de conduta foi criado para evitar que serviços conectados, como os oferecidos por essas empresas, sejam explorados por radicais religiosos, como os integrantes do Estado Islâmico, para disseminar propaganda terrorista ou por extremistas europeus, para divulgar mensagens preconceituosas, como, por exemplo, de cunho antissemita e antimuçulmana.
“A Comissão e as companhias de tecnologia reconhecem que espalhar discursos ilegais de ódio não só afeta negativamente os grupos ou indivíduos a que se dirigem como também impacta negativamente aqueles que pedem por liberdade, tolerância, não discriminação em nossa sociedade aberta e tem um efeito de congelamento do discurso democrático nas plataformas online”, informa a União Europeia.
Veja abaixo os termos de conduta que as empresas aceitaram seguir:
- As empresas se comprometem em rever toda notificação de que há publicações de discurso de ódio em suas plataformas; também incluirão dispositivos em suas regras de comunidade que proíbam claramente a incitação à violência e a promoção do ódio;
- Além de avaliar se os pedidos de remoção estão em desacordo com as políticas de uso de suas plataformas, as companhias terão ainda que averiguar se as publicações infringem alguma lei;
- As solicitações de remoção de postagens ofensivas deverão ser analisadas em menos de 24 horas;
Facebook, Microsoft, YouTube e Twitter terão que criar meios de informar seus usuários sobre assuntos proibidos e poderão até enviar notificações para isso;
- As plataformas deverão fornecer informação para que órgãos governamentais de estatística criem bases de dados sobre a disseminação do discurso de ódio e sua remoção do meio digital;
- A Comissão Europeia e as empresas se esforçarão para identificar usuários que construam narrativas contrárias ao discurso de ódio para promovê-las e tornar seu alcance mais amplo.
Fonte: G1