IMPOSTÓMETRO

sábado, 13 de dezembro de 2014

Força Aérea suspende contratos depois de denúncias de propina.

A Força Aérea Brasileira (FAB) decidiu instaurar um IPM  para apurar as denúncias de pagamento de propina a oficiais, em contratos firmados com a empresa americana Dallas Airmotive.  A FAB também resolveu sustar os contratos que estão em vigor com a empresa enquanto transcorrerem as investigações e avisou que os mesmos serão rescindidos caso as denúncias sejam comprovadas.

O departamento de Justiça dos Estados Unidos informou que a Dallas Airmotive pagará US$ 14 milhões de sanção penal por descumprir a lei que pune empresas do país que praticam corrupção no exterior. A empresa admitiu que pagou propina a brasileiros e argentinos em forma de presentes, viagens de férias e pagamentos de forma indireta.

A nota do governo americano diz: A Dallas Airmotive Inc. admite violações da Lei sobre Práticas Corruptas no estrangeiro e concorda em pagar US $ 14 milhões em sanções penais.

Dallas Airmotive Inc., um prestador de serviços de manutenção de motores de aeronaves, reparação e revisão, com sede em Grapevine, Texas, admitiu a violações do “Corrupt Practices Act Exterior (FCPA)” e concordou em pagar uma sanção penal 14.000.000 dólares em penalidade por acusações de ter subornado funcionários de governos da América Latina, a fim de garantir contratos lucrativos. Veja aqui a nata do Governo dos EUA.

A FAB publicou hoje uma nota dando esclarecimentos sobre o caso.

“ A Força Aérea Brasileira (FAB) suspendeu imediatamente a execução dos contratos que mantinha com a empresa Dallas Airmotive até o total esclarecimento das denúncias do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Se as acusações forem comprovadas, a FAB vai rescindir os contratos, com base no artigo 79, inciso XII da Lei 8666/93, buscando inclusive o ressarcimento cabível. A FAB também instaurou um Inquérito Policial Militar para apurar o envolvimento dos acusados, ainda não identificados. Ressaltamos que a FAB repudia atitudes desta natureza e atua firmemente para coibir desvios de conduta de seu efetivo.  Brasília, 12 de dezembro de 2014

Centro de Comunicação Social da Aeronáutica."

http://sociedademilitar.com.br

Rollemberg prevê rombo de até R$ 3,8 bilhões nas contas do GDF em 2015

No entanto, de acordo com o secretário de Comunicação do governo Agnelo Queiroz, o deficit em questão não existe

Matheus Teixeira

Depois de um mês e meio de trabalho da equipe de transição, o governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB) fez, na manhã deste sábado (13/12), um balanço das informações que recebeu até agora do atual chefe do Executivo local, Agnelo Queiroz (PT). Segundo Rollemberg, foram levantados os principais riscos que o GDF corre a partir de 1 degoverno e ao aumento exponencial dos gastos com pessoal, sem que a receita tenha crescido na mesma proporção. O dignóstico revelou ainda que o rombo no caixa do GDF será maior do que o esperado. Calculado inicialmente em R$ 2,1 bilhões, deverá ser de até R$ 3,8 bilhões, segundo o socialista.
No entanto, de acordo com o secretário de Comunicação do governo Agnelo Queiroz, o deficit em questão não existe. André Duda argumenta que o aumento na folha citado por Rollemberg ocorreu porque o GDF contratou cerca de 35 mil servidores nos últimos quatro anos. janeiro de 2015, como o encerramento de contratos temporário, o que poderia levar a descontinuidade de serviços prestados à população.

Ele expressou muita preocupação com as finanças do Governo do Distrito Federal (GDF) e creditou a crise vivida pelo DF ao “apagão de gestão” do atual

A maior preocupação do próximo governador é como ele dará continuidade no que Agnelo deixou. Na área de prestação de serviços, por exemplo, o governo enfrenta dificuldade para arcar com os gastos, o que tem causado a interrupção de diversos setores, como o de fornecimento de alimento para os hospitais. Rollemberg terá a missão de equilibrar as contas e manter tudo funcionando. Outro ponto levantado foi a aproximação do fim do contrato com os médicos temporários.

Para resolver os problemas, o governador eleito afirmou por diversas vezes na coletiva que será preciso austeridade e transparência. Segundo ele, é necessário realizar um conjunto de medidas para mudar a atual realidade. Uma das principais delas será a diminuição de gastos com pessoal, com o corte de secretarias e de cargos comissionados. “A receita aumentou, mas as despesas aumentaram muito mais, o que causou o maior desequilíbrio da histórias das contas do Governo do Distrito Federal”, disse Rollemberg. 

Novo secretariado

O novo chefe do Executivo local aproveitou para anunciar que, na segunda-feira (15/12), às 14h30, irá divulgar o nome de todo o secretariado. O evento será no Hotel Brasília Palace. É dada como certa uma reforma administrativa, como a redução do número de secretarias para, no máximo, 22.

Fonte: Correiobraziliense

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

O futuro das investigações

CNV propõe a criação de órgão permanente para investigar os crimes da ditadura militar

Sucursal Brasília
Blog Sucursal Brasília
O relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV) entregue hoje à presidente Dilma Rousseff faz 29 recomendações a serem seguidas pelo Estado brasileiro para “prevenir” graves violações de direitos humanos e “assegurar” a não repetição de fatos semelhantes.
abaixo-a-ditadura.jpg
Órgão seria responsável por continuar investigações
sobre crimes cometidos na ditadura
Uma das sugestões é a criação de um órgão encarregado de continuar as investigações sobre os crimes comedidos pela ditadura militar. Essa estrutura atuaria “em sintonia” com outras instituições já existentes, como a Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (CEMDP) e o Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH).
A CNV propõe também a punição de 377 responsáveis por crimes praticados na repressão política durante a ditadura. Entre os apontados como culpados pelas violações contra os direitos humanos estão os presidentes da República do período, todos militares. Para permitir a penalização dessas pessoas, a comissão defende uma revisão parcial da Lei da Anistia, de 1979.
Os integrantes da CNV identificaram 434 mortos pela ditadura. Desse total, 208 continuam desaparecidos, sem localização dos corpos. Segundo o relatório, o número de mortos pelos agentes da repressão é seguramente maior, mas não teria sido possível descobrir os nomes dessas pessoas.
Fonte: Revista IstoÉ
http://www.istoe.com.br/colunas-e-blogs/colunista/59_SUCURSAL+BRASILIA

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Apartamentos em Brasília com 100% financiado pela Caixa Econômica Federal


Enterro do Cabo do Exército e muita comoção

Foi sepultado há pouco, em Vinhedo, sob honrarias militares e forte comoção, o Cabo do Exército Brasileiro Michel Augusto Mikami, de 21 anos, morto na última sexta-feira, no Rio de Janeiro. Ele servia ao 28º Batalhão de Infantaria Leve, sediado em Campinas, e integrava a Força de Pacificação que ocupava o Complexo da Maré, na capital Carioca. Mais detalhes na próxima edição do Jornal Tribuna de Vinhedo.







28,86%: senador tem a chave do cofre.


O Senador Vital do Rêgo Filho (PMDB/PB) é o relator da proposta orçamentária da União que vigorará no próximo ano. É quem tem o poder de incluir ou deixar de fora do Orçamento o pagamento da diferença sobre o aumento de 28,86% concedidos às patentes superiores em 1993.


28,86%: Deputado Federal Izalci promete incluir emenda na LDO para pagamento em 2015.
Entre no site do senador e deixe seu recado. Ou acesse a sua página no Senado Federal.

Converse com o senador e seus assessores. Será terça-feira dia 02/dez/2014

Não é transgressão disciplinar e não dói.

sábado, 29 de novembro de 2014

EXÉRCITO TEM QUE TOMAR UMA PROVIDÊNCIA URGENTE - TEM QUE RESPONDER A ALTURA SOBRE A MORTE DO CABO

Morre cabo do Exército baleado na cabeça em ataque na Maré, Rio

Morte é a 1ª de militar das Forças Armadas desde início da pacificação.
Militares foram atacados por traficantes nesta sexta-feira.

Michel Mikami era de Vinhedo, no interior de São Paulo (Foto: Reprodução / Facebook)

Morreu o cabo do Exército baleado na cabeça enquanto fazia um patrulhamento no Conjunto de Favelas da Maré, Zona Norte do Rio, nesta sexta-feira (28). Michel Augusto Mikami tinha 21 anos e era de Vinhedo, no interior de São Paulo. Esta é a primeira morte de um militar das Forças Armadas desde o início do processo de pacificação, há seis anos, como mostrou o Jornal Nacional.

Um vídeo mostra o momento em que o cabo foi socorrido por médicos e militares logo após o ataque (veja acima).

Em nota, o governador Luiz Fernando Pezão lamentou a morte do militar e reafirmou que o seguirá firme no processo de ocupação das favelas. "Minha solidariedade à família do militar, que perdeu a vida na defesa da paz. Vamos perseguir até o fim a pacificação na Maré e em outas comunidades do Rio. Nada nos fará recuar", disse.

A presidente da República Dilma Roussef também expressou seu pezar por meio de nota. O comunicado ressaltou que o militar "morreu no cumprimento do dever, na missão de pacificação empreendida pelo Exército Brasileiro". "Quero expressar minha dor e minha solidariedade à família e aos amigos de Michel", disse a presidente.

Também na região, um blindado caiu num canal em outro ataque de criminosos. O veículo blindado da Força de Pacificação que estava em patrulhamento na Região do Conjunto Esperança recebeu tiros de supostos envolvidos com facções criminosas que dominam no local.

Segundo a assessoria de imprensa da Força de Pacificação, os policiais responderam aos disparos e, ao manobrar o veículo, colidiram com o meio-fio e caíram no Canal da Avenida 2. O veículo não sofreu maiores danos. Um rádio transmissor foi apreendido.
Blindado perdeu o controle após ataque na Maré (Foto: Reprodução / Globo) 
Blindado perdeu o controle após ataque na Maré (Foto: Reprodução / Globo)

Ocupação desde abril

A Força de Pacificação está na Maré desde o dia 5 de abril, quando 2,7 mil militares ocuparam 15 comunidades do conjunto de favelas. Mas os confrontos têm sido frequentes. Desde o início da ocupação, mais de 400 pessoas foram presas e 158 menores apreendidos. Nas operações de combate ao tráfico, além de drogas, os militares também apreenderam veículos, motos, armamento e munição.
Fonte: G1Rio