segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Contrabando de Nióbio estaria financiando Rede Globo Minas


A afiliada da Rede Globo de Televisão em Minas Gerais, é suspeita de participar de um esquema de arrecadação ilícita de recursos, através da venda subfaturada de Nióbio, metal raro cuja incidência de 98% das jazidas estão no Brasil, único país que o fornece ao mundo. O minério é usado para a fabricação de turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, centrais elétricas e super aços. As informações são do NovoJornal e do grupo de “hacktivistas” Anonymous Brasil.

O esquema teria sido montado para financiar a expansão da Rede Globo em Minas e a principal suspeita de irregularidade encontrada foi o fato do dirigente da Rede Integração, Antônio Leonardo Lemos Oliveira ter assumido a vice presidência da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (CODEMIG), empresa pertencente ao governo de Minas encarregada de administrar o patrimônio minerário do Estado, inclusive o Nióbio.

Tudo isso teria sido feito sem se afastar da emissora e para executar um projeto político, usando a emissora como carro chefe em um movimento para que o grupo Moreira Salles esteja à frente de todas as emissoras afiliadas da Globo no estado. Vale lembrar que emissoras de TV e rádio são concessões públicas. 

Investigações - A venda e exploração do Nióbio no município mineiro de Araxá é objeto de investigação pelo Ministério Público em MG e um relatório da Receita Federal, que investigou a evasão de divisas existente na venda subfaturada do mineral traz a suspeita de uma possível transferência de recursos obtidos pela Companhia Mineradora de Piroclaro de Araxá (Comipa) e pela Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), empresa do Grupo Moreira Sales, para a Rede Globo de Televisão. A transação teria sido feita com a interveniência da CODEMIG e sem autorização legislativa ou licitação. 

Segundo relatório da Receita Federal, após 2002 a Rede Integração é propagada como de propriedade exclusiva do empresário Tubal de Siqueira Silva, sem que nenhum documento comprovasse nenhum tipo de negociação de compra e venda. O relatório aponta que os investimentos posteriores à transação já ultrapassaram R$ 1 Bilhão, sem que qualquer faturamento significativo de publicidade tenha ocorrido no período.

Todo capital teria sido obtido através de empréstimos tomados de Bancos ligados ao Grupo Moreira Sales. Em 2007, a Rede Integração adquiriu parte da TV Panorama, afiliada da Globo de Juiz de Fora, expandindo a empresa também para a Zona da Mata, controlando assim 4 das 8 retransmissoras da TV Globo em Minas Gerais e se tornando a maior empresa de comunicação do interior mineiro. Cinco anos mais tarde, a Rede Integração assumiu a totalidade da TV Panorama que com isso, passou a se chamar TV Integração Juiz de Fora.

Segundo o superintendente da emissora, Rogério Nery, a compra da participação é um marco importante. “Vamos levar efetivamente a marca da TV Integração para a Zona da Mata, com respeito aos costumes e à cultura da região, que é muito importante para o Estado e para o país”, disse.

Alcance das emissoras - Trocando em miúdos, a TV Integração, que atua no Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Noroeste, Pontal e Centro-Oeste, passa a abranger a Zona da Mata, totalizando 233 municípios, ou mais de 5,5 milhões de telespectadores, sob o escopo da emissora. Com isso, ao todo são 259 cidades e 5.376,579 milhões de habitantes atingidas pelo sinal da Rede Integração.

Além de quatro emissoras de TV aberta, a rede opera três emissoras de rádio – a 95,1 FM, a Globo Cultura Am 1020 e a Regional FM –; o portal de Internet Megaminas.com; uma operadora de TV a Cabo, a Net Patos de Minas; a empresa de soluções para web Webroom, com filiais em Uberlândia, Brasília e Goiânia; e a produtora de vídeo Imaginare Filmes.

Nióbio - A CBMM tem controle absoluto da comercialização do minério mais raro do planeta, cuja a jazida encontra-se em Minas Gerais na cidade de Araxá.  A empresa integra o Grupo Moreira Salles e conta com subsidiárias na Europa, a CBMM Europe BV-Amsterdam; na Ásia, a CBMM Asia Pte em Cingapura; e na América do Norte, a Reference Metals Company Inc.-Pittsburgh.

Segundo informações do “Hoje em Dia”, promotores de Justiça preparam de documentos para abrir a caixa-preta da exploração de nióbio em Araxá e o Ministério Público de Minas pretende usar esses documentos para entender como a CBMM tem o privilégio de extrair o mineral, considerado um dos mais estratégicos do mundo, sem licitação, há mais de 40 anos. O governo de Minas Gerais detém a concessão federal para explorar a jazida, mas arrendou à CBMM sem nenhum critério.

Segundo o documentário “Jogo Final”, que provocou parte das investigações, em 1972, o Estado de Minas constituiu a Comipa para gerir e explorar o nióbio em Araxá e esta, por sua vez, arrendou 49% da produção do nióbio para a CBMM, sem licitação. O MP pretende obrigar o governo de Minas a abrir licitação para a exploração deste que é o maior complexo mínero-industrial de nióbio do mundo.

Consultado, Antônio Leonardo Lemos Oliveira, não quis comentar o assunto e de igual forma, ninguém da Rede Integração, da Rede Globo ou da CODEMIG quis se pronunciar.

Notas da redação – Vale dizer que os Estados Unidos, Europa e Japão são 100% dependentes do nióbio brasileiro, mas o Brasil detém apenas 55% dessa produção. Os 45% restantes estariam saindo extra-oficialmente do país. Durante a Comissão Parlamentar De Inquérito (CPI) dos Correios, um pequeno germe da investigação sobre o Mensalão, o publicitário Marcos Valério revelou na TV : “O dinheiro do mensalão não é nada, o grosso do dinheiro vem do contrabando do nióbio” e que “José Dirceu estava negociando com bancos, uma mina de nióbio na Amazônia”.

Estranhamente veículos pertencentes à Rede Globo de Televisão nunca tocaram no assunto, nem mesmo quando tornou Dirceu sua Geni preferida. Contou com a ajuda – e o silêncio – dos veículos da grande mídia, de grupos como Abril e Folha.

Outro comentário, ao qual não podemos nos furtar é que o “Triângulo” de Minas Gerais se assemelha ao das Bermudas: tudo que se passa por lá misteriosamente desaparece.

Fonte: Brasilia em Pauta

Nenhum comentário:

Postar um comentário