terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Brasileira precisa de ajuda urgente no Sudão - Capitã da PM está entre militares sitiados em campo da ONU no Sudão

Na internet, Melissa Rocha relata clima tenso em base, mas diz estar bem.
Millhares de refugiados tentam acessar local em busca de abrigo, diz ONU.


Ricardo MoreiraDo G1 DF
No Facebook, capitã Melissa diz que está bem e aguarda
que o espaço aéreo em Juba seja reaberto
(Foto: Facebook / Reprodução)

A capitã Melissa Rocha, da Polícia Militar do Distrito Federal, está entre os militares que estão sitiados numa base da Organização das Nações Unidas (ONU) em Juba, capital do Sudão. A informação é do Comando da Academia da PM em Brasília.

Segundo a PM, a capitã e outros oito militares de diversos países tentam impedir que refugiados acessem o local, por falta de espaço para acomodar pessoas quen tentam fugir da violência decorrente da crise política no país.

Os refugiados temem ser alvo de militares do Sudão do Sul, responsáveis por uma tentativa de golpe no país, afirma o comando da Academia da PMDF, tenente-coronel Leonardo Sant'Anna. De acordo a ONU, mais de 7 mil pessoas buscavam refúgio na base da entidade no Sudão nesta segunda-feira.

O G1 ainda tenta contato com a família da policial. No Facebook, a capitã Melissa Rocha postou às 18h27 uma mensagem em que dizia estar bem e que aguardava a reabertura do espaço aéreo para poder deixar o Sudão em direção a Uganda.
Blog na internet publicou fotos da capitã com militares do
exército local no Sudão do Sul (Foto: Reprodução)

De acordo com Sant'Anna, as últimas mensagens de Melissa por celular relatavam que ela estava bem, mas que o clima de insegurança na base era cada vez maior. Os refugiados aparentavam bastante fome e sede e diziam ter caminhado vários quilômetros para chegar até o local, segundo o relato que ela fez a ele.

Os mantimentos dentro da base da ONU seriam insuficientes para atender os moradores, informou o tenente-coronel. Segundo agências internacionais de notícias, há relatos de vários confrontos e tiros em diversas áreas de Juba. O espaço aéreo está fechado e o toque de recolher foi decretado.

Sem comunicação

Segundo Sant'Anna, a comunicação com a capitã foi interrompida por volta das 17h30 (horário de Brasília) desta segunda-feira (16).

Civis chegam à base da ONU perto do aeroporto internacional de Juba (Foto: Rolla Hinedi/ONU)
 Sant'Anna diz que o contato com a policial estava sendo feito por meio de um aplicativo de celular que permite o envio e recebimento instantâneo de mensagens de texto. O tenente-coronel soube que o fornecimento de energia em Juba foi interrompido.

Num blog da internet, a capitã Melissa aparece em fotos ao lado de militares do Exército do Sudão do Sul. De acordo com o site, a oficial postou, em agosto deste ano, a seguinte mensagem: “Ainda estou me adaptando. O povo não gosta muito de fotos e se o exército local vê, costumam apreender os aparelhos. Então, melhor evitar qualquer tipo de conflito. Mas é tudo muito interessante. Outra realidade! Tenho vontade de tirar foto de tudo! Parece que estou num filme! A cidade não tem água encanada nem energia elétrica. O transito é bizarro…”.
Fonte: G1



Nenhum comentário:

Postar um comentário