quinta-feira, 12 de maio de 2016

Turistas, índios e movimentos sociais vão ao Planalto ver discurso de Dilma

Ex-presidente Lula passou perto dos manifestantes ao chegar ao local.
PM estimou haver 2,5 mil pessoas; houve confusão por causa de grade.

Do G1 DF
Dilma deixa o Planalto e é cercada por apoiadores (Foto: Reprodução/GloboNews)Dilma deixa o Planalto e é cercada por apoiadores (Foto: GloboNews/Reprodução)
Turistas de diversos estados, indígenas e representantes de movimentos sociais acompanharam na manhã desta quinta-feira (12) em frente à rampa do Palácio do Planalto a primeira declaração da presidente afastada Dilma Rousseff. O discurso ocorreu logo após a petista ser notificada pelo primeiro-secretário do Senado, Vicentinho Alves (PR-TO), da abertura do processo de impeachment na Casa.
Dilma cumprimenta apoiadores na saída do Planalto (Foto: Reprodução/NBR)Dilma cumprimenta apoiadores na saída do Planalto (Foto: NBR/Reprodução)
O pronunciamento durou 14 minutos. Dilma classificou a decisão como "a maior das brutalidades que pode ser cometida contra um ser humano: puní-lo por um crime que não cometeu". Ela voltou a chamar o processo de impeachment de “golpe” e afirmou que não praticou nenhum crime. Também disse que o que “está em jogo” é o “respeito às urnas” e acrescentou que tentam “tomar à força” o seu mandato, que, segundo ela, é alvo de “sabotagem”.
Lula é cumprimentado por manifestantes ao chegar no Planalto nesta quinta (12) (Foto: Laís Alegretti/G1)Lula é cumprimentado por manifestantes ao chegar no Planalto nesta quinta (12) (Foto: Laís Alegretti/G1)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve a nomeação como ministro da Casa Civil  barrada pelo Supremo Tribunal Federal passou próximo aos manifestantes ao chegar ao palácio, onde a presidente afastada fez um pronunciamento. Dilma discursou no Salão Leste para políticos e imprensa. Em seguida, foi para a parte externa, acenou para o grupo e pegou na mão de alguns manifestantes
  •  
Manifestantes contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff começam a se reunir em frente do Palácio do Planalto, em Brasília, após aprovação da admissibilidade do processo de impeachment no Senado  (Foto: Marcello Casal/Agência Brasil)Manifestantes contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff começam a se reunir em frente do Palácio do Planalto, em Brasília, após aprovação da admissibilidade do processo de impeachment no Senado (Foto: Marcello Casal/Agência Brasil)
A Polícia Militar montou estruturas metálicas para delimitar o acesso ao local. De acordo com a corporação, havia cerca de 4 mil manifestantes do lado externo do palácio por volta das 12h30.
Planalto (Foto: Reprodução/GloboNews)Militantes acompanham discurso da presidente afastada Dilma Rousseff no Palácio do Planalto (Foto: GloboNews/Reprodução)
Em Brasília para reivindicar demarcação de terras, os indígenas partiram da altura do Ministério Público do DF para o palácio por volta de 10h30. Eles empunhavam faixas e cartazes e ocuparam as seis faixas do Eixo Monumental. Armas como arco e flecha e pedaços de pau ficaram retidas no cordão da PM.
Pastor evangélico, Giovanni dos Santos, de 35 anos, mora em Goiânia e chegou na manhã desta quarta com os cinco filhos. Ele disse que veio agradecer Dilma e o programa Bolsa Família, que passou a receber após perder a mulher.
O homem conta que votou em Aécio Neves (PSDB-MG), mas que passou a admirar a vida de Dilma pela forma como ela lidou com o processo de impeachment. Ele estava com um instrumento chamado shofar, que usa para tocar na igreja.
Militantes choram durante o primeiro pronunciamento da presidente afastada Dilma Rousseff; discurso ocorreu no final da manhã desta quinta-feira (12), pouco depois de ela ser notificada pelo Senado do resultado da decisão que a afastou do cargo (Foto: Gabriel Luiz/G1)Militantes choram durante o primeiro pronunciamento da presidente afastada Dilma Rousseff; discurso ocorreu no final da manhã desta quinta-feira (12), pouco depois de ela ser notificada pelo Senado do resultado da decisão que a afastou do cargo (Foto: Gabriel Luiz/G1)
Delegadas na 4ª Conferência Nacional de Política para as Mulheres, Zilda da Silva, Marta Rodrigues e Claudiane dos Santos vieram da Bahia. Elas estavam entre as mulheres detidas no voo de terça- feira depois de protesto contra a entrada dos deputados Jutay Magalhães e Tia Eron – ambos votaram pelo encaminhamento do processo de impeachment ao Senado.
"Não  vamos aceitar o resultado. Voltaremos a Brasília para lutar contra nossos direitos e pela volta da presidente Dilma", declarou Marta.
Manifestantes exibe cartaz com a mensagem 'menos ódio' durante o primeiro discurso da presidente afastada Dilma Rousseff (Foto: Beatriz Pataro/G1)Manifestantes exibe cartaz com a mensagem 'menos ódio' durante o primeiro discurso da presidente afastada Dilma Rousseff (Foto: Beatriz Pataro/G1)
Entre os militantes que estavam acampados no estacionamento do Estádio Mané Garrincha durante o processo de votação, Márcio Dionísio diz que quis prestar solidariedade. "A gente nem dormiu direito de noite. Agora nós vamos lá dar apoio à presidente."
Indígena deixa objetos em bloqueio montado pela Polícia Militar na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nesta quinta-feira (12); pedaços de pau e arcos e flechas não podem ser levados para as proximidades da Praça dos Três Poderes (Foto: Mateus Vidigal/G1)Indígena deixa objetos em bloqueio montado pela Polícia Militar na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nesta quinta-feira (12); pedaços de pau e arcos e flechas não podem ser levados para as proximidades da Praça dos Três Poderes (Foto: Mateus Vidigal/G1)
Moradora do Rio Grande do Norte, a socióloga Sandra Pequeno embarcou com amigas para Brasília para prestar apoio a Dilma. As mulheres pretendem voltar ao estado assim que a petista deixar o Palácio do Planalto.
Policiais militares acompanham de teto de carro a movimentação de indígenas contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff; grupo estava em frente ao Palácio do Planalto nesta quinta-feira (12) (Foto: Mateus Vidigal/G1)Policiais militares acompanham de teto de carro a movimentação de indígenas contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff; grupo estava em frente ao Palácio do Planalto nesta quinta-feira (12) (Foto: Mateus Vidigal/G1)
Houve um pequeno conflito no local entre apoiadores da petista e seguranças do Palácio do Planalto: os manifestantes retiraram as grades para facilitar o acesso de mais pessoas, mas foram repreendidos. A estrutura chegou a cair, mas foi recolocada no local.









Fonte: G1 DF 

Nenhum comentário:

Postar um comentário